ABERTURA DA BARRA DO AÇU DIVIDE OPINIÕES

Pescadores artesanais discutem a abertura desde de dezembro de 2017

Desde de dezembro de 2017, vem acontecendo uma discussão sobre a abertura da barra na Lagoa do Açu entre pescadores artesanais, moradores, INEA, Parque estadual da Lagoa do Açu (PELAG), Secretarias  Municipal de Pesca, Meio Ambiente, UENF e os Projetos de Educação Ambiental (PEA) Observação e PESCARTE. Alguns acreditam que com abertura da barra aumentaria a entrada de novas espécie de pescado (camarão, tainha e siri).

A pescadora artesanal Edna de Souza Machado, moradora de Quixaba, afirma não haver necessidade da abertura da barra do Açu, pois os peixes irão escoar para o mar e que o pouco de água doce que existe na lagoa também irá embora, tornando impossível a sobrevivência dos peixes, dos animais e dos moradores, pois faltará água e pescado.

Edna Machado, pescadora artesanal contra abertura da Barra.

Já em contrapartida, Carlos Barreto Machado também pescador artesanal e morador de Quixaba, tem opinião favorável sobre esta abertura, segundo ele a água fica muito salinizada e que a lagoa necessita de água doce para a sobrevivência dos peixes.

Pescador Artesanal Carlos Barreto que é a favor da abertura da Barra.

Complementando sua opinião, o pescador Carlos Barreto relata que a barra deveria ser aberta de dois em dois anos, renovando o fluxo da água e das espécies de peixes e que não vê nenhum ponto negativo e nem impacto ambiental com a abertura da barra do Açu.

 

Um olhar técnico

A secretária do Meio Ambiente Joice Pedra em uma entrevista ao PEA Observação São João da Barra, afirmou que já foi feita uma reunião com INEA, PELAG e o Comitê de Bacias do Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana sobre uma possibilidade de se fazer um calendário de abertura de barras, sendo  monitorada  e autorizada pelos órgãos competentes, pois se qualquer barra for aberta de forma irregular e ilegal, colocará em desequilíbrio todo o ecossistema e que os impactos vão muito além dos ambientais, tornando-se também um impacto social.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.